quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

HOMENAGEM PÓSTUMA A LUIZ ANTÔNIO SANDOVAL MOURÃO


Por Francisco José dos Santos Braga

Em homenagem ao 1º Aniversário da morte de Luiz Antônio Sandoval Mourão, ocorrida em 1º de dezembro de 2015.


Tive a sorte de conhecer o merecedor dessa minha homenagem corretor de seguros Luiz Antônio Sandoval Mourão em fevereiro de 2008, em Campinas, e fiquei vivamente interessado pela sua vasta experiência de vida, que considerei muito digna e passível de ser descrita em livro, tão vasto era o seu conhecimento do mercado de seguros por um lado, enquanto, por outro lado, vi traços profundos da sua personalidade firme e positiva que pude perceber estampadas nas linhas de expressão de seu rosto. Chamou-me especial atenção o seu queixo pronunciado e vigoroso, que interpretei como de alguém que tinha a coragem de enfrentar grandes desafios. Também não me passou despercebido o seu sorriso franco e aberto, típico de pessoas que fazem grandes amigos e conquistam a confiança de muitas pessoas.

De 2008 a 2015, ou seja, apenas 7 anos são um curto espaço temporal para o conhecimento mais profundo de uma rica personalidade como a de meu saudoso amigo Luiz Antônio S. Mourão, que no dia 1º de dezembro de 2015 partiu desta vida terrena, deixando-me enorme saudade de sua agradável companhia e sorriso contagiante. Mas, se me for dado resumir em poucas palavras a personalidade do meu saudoso amigo, diria que era um ser humano superior, dotado de bondade, retidão e personalidade forte, capaz de suportar furacões e tempestades e de se emocionar diante do olhar de uma criança. Valorizava suas raízes mineiras, o que nos levou a desenvolver uma enorme simpatia de um pelo outro.

Ele sentia, por exemplo, um justo orgulho de seu tronco familiar. De nossas tertúlias, deduzo que ele se sentiria melhor homenageado neste Blog do Braga, se nós voltássemos a atenção para seu pai, Dr. Benedictus Mário Mourão, e seu avô paterno, Dr. Mário Mourão. Como se vê, trata-se de uma família de ilustres facultativos. Embora os antepassados do meu homenageado Luiz Antônio S. Mourão tivessem migrado para Poços de Caldas, suas raízes repousavam na cidade de Bom Sucesso, no sul de Minas Gerais. 

Luiz Antônio Sandoval Mourão, 
em momento de descontração 

Sobre a formação administrativa dessa localidade mineira, pode-se dizer que originalmente era distrito da cidade de São João del-Rei com a denominação de Bom Sucesso, pela Resolução de 4/12/1824; foi transformada em Vila com a denominação de Bom Sucesso por Lei Provincial nº 1.883, de 15/07/1872, desmembrada do Município de São João del-Rei e instalada em 30 de dezembro de 1872. Não tardou muito para ser alçada à categoria de Cidade com a denominação de Bom Sucesso, por Lei Provincial nº 2002, de 15/11/1873.

Monumento a Dr. Mário Mourão. Homenagem prestada pela municipalidade 
de Poços de Caldas-MG. Localização: em frente ao Balneário Dr. Mário Mourão.
O avô de meu homenageado, Dr. MÁRIO MOURÃO, nasceu na cidade de Bom Sucesso a 26 de julho de 1877, tendo como pais o Coronel Martinho de Freitas Mourão e Herculana Lopes Cançado Mourão. O pai do pequeno Mário vendeu todas as suas propriedades e mudou-se para São João del-Rei. Aí chegando,  matriculou o pequeno Mário, com a idade de seis anos, na Escola João dos Santos. Após a conclusão do curso primário nesse educandário são-joanense, Mário, demonstrando gosto pelos estudos e pelos livros, é enviado para o rigoroso Colégio Protásio Ferreira Guimarães, em Bom Sucesso. Em janeiro de 1891, o Coronel Martinho mudou-se com toda a sua família para Poços de Caldas. Um mês depois, Mário seguiu para São Paulo para matricular-se como interno no Colégio Ivahy. Formou-se em 1894 e, com a sólida formação que acumulara, já em 1895 estava matriculado na Faculdade de Medicina e Farmácia do Rio de Janeiro. Em 1899, concluiu sua formação médica com sua tese "Da catatonia", tendo brilhado em todos os exames, com distinção e louvor. No dia 18 de janeiro de 1900 defendeu sua tese, aprovada com distinção. Depois de um agradável descanso de três meses junto à sua família, Dr. Mário Mourão optou por viajar para Franca-SP com o fito de iniciar suas atividades profissionais junto do seu irmão Dr. Marcílio Mourão. A seguir, seguiu em peregrinação a Jardinópolis, depois à Argentina, e, além disso, a Sertãozinho, Ribeirão Preto e, finalmente, Serra Azul, localidade onde conheceu Placidina do Nascimento Martins, com quem se casou em 10 de novembro de 1906. Em 1910 se mudou definitivamente para Poços de Caldas em companhia de sua esposa e seus dois filhos, Nini ¹ e Martinho. Em 1912, foi à França aprimorar-se em dermatologia, tendo feito estágio no Hôpital Saint-Louis, de Paris, e frequentado o Centre de Santé Sabouraud, especializado na pele e nos cabelos, em alopécias e na pseudo-pelada de Brocq. Em novembro de 1918, viu-se vítima da gripe espanhola que assolou o Brasil, sendo salvo por Dr. Pessoa, que chegou a Poços de Caldas e o assistiu com êxito. Ao curar-se da moléstia, converteu-se à fé católica, fazendo-se católico praticante. Tornou-se então um verdadeiro benemérito de Poços de Caldas. Como jornalista, promoveu gloriosas campanhas e escreveu numerosas crônicas com o pseudônimo de Don Bias. Como escritor, publicou além do famoso "Poços de Caldas Synthese Historica e Crenologica", de 571 páginas, de 1933, outras quatorze obras, versando sobre assuntos de medicina, todos tratados por ele com profundidade. Com o "Livro dos Velhos, Elementos de Geriatria Brasileira", editado em 1945, introduziu no brasil o conceito de geriatria e gerontologia, propugnando uma terapêutica para as moléstias dos idosos e uma profilaxia das enfermidades do envelhecimento. Outra sua iniciativa de Dr. Mário Mourão foi a fundação da "Revista Brasileira de Crenologia", em 1933, com seus dois filhos, os Drs. Martinho de Freitas Mourão e Benedictus Mário Mourão, em parceria ainda com Dr. Clodoveu Davis, seu genro. Faleceu em 1º de maio de 1957. ² 

Monumento ao médico e Prefeito Dr. Martinho de Freitas Mourão, inaugurado
 a 06/11/2000. Homenagem prestada pela municipalidade de Poços de 
Caldas-MG. Localização: Praça Dr. Martinho de Freitas Mourão (Praça do Museu)






Recebeu homenagem póstuma, quando foi dado o seu nome a importante balneário poços-caldense. ³

Sobre o pai do meu homenageado, Dr. BENEDICTUS MÁRIO MOURÃO, começo esse parágrafo dizendo que seguiu a trilha traçada por Dr. Mário Mourão, tornando-se "médico crenologista que ofereceu significativa contribuição ao conceito das águas minerais brasileiras". Meu homenageado presenteou-me com um exemplar da Revista Água & Vida, edição nº 56 de março de 2009, que, nas suas páginas 8 e 9, há um artigo que relata a realização de uma solenidade de inauguração, pela ABINAM-Associação Brasileira da Indústria de Águas Minerais, de nova sede, que "recebeu o nome do médico crenologista que foi um dos mais eruditos conhecedores e divulgadores das propriedades medicinais e terapêuticas das águas minerais": Dr. Benedictus Mário Mourão. Na ementa do artigo, há o esclarecimento de que o presidente da ABINAM estava, com a inauguração dessa nova sede com homenagem a Dr. Benedictus, cumprindo o estipulado no último congresso da Associação. No interior do artigo, ficamos sabendo que a referida solenidade contou com a presença de diversos representantes do DNPM e da CPRM-Comissão Permanente de Crenologia "Dr. Benedictus Mário Mourão", de indústrias envasadoras, da diretoria da ABINAM e de amigos de Dr. Benedictus, mencionando sobretudo a presença de seus dois filhos Mário Mourão (Netto) e Luiz Antônio Mourão, tendo havido o descerramento da placa comemorativa da inauguração da nova sede, localizada no conjunto 43 do 4º andar do edifício da rua Pedroso Alvarenga, 584, no bairro Itaim da cidade de São Paulo. O artigo é encerrado com breve currículo do Dr. Benedictus: "autor de vários livros sobre crenologia, membro correspondente da Academia Nacional de Medicina e do IHG-MG; titular da Comissão Permanente de Crenologia do M.M.E.; diretor-científico da Sociedade Brasileira de Termalismo e diretor dos Serviços Termais da Prefeitura de Poços de Caldas". Além disso, foi vice-presidente da SBD-Sociedade Brasileira de Dermatologia, na gestão 1974. Também era presidente da Comissão Brasileira de Estudos Médicos da Féderation Internacionale du Thermalisme et du Climatisme-FITEC. O 18º Congresso Brasileiro de Águas Minerais e Expo ABINAM'2009 deciram criar em 2009 a Comenda Dr. Benedictus Mário Mourão, definindo que "o prêmio é destinado a homenagear personalidades que se destacaram e contribuíram, com seus serviços profissionais, para o crescimento e fortalecimento da qualidade das Águas Minerais Brasileiras."   Finalmente, Dr. Benedictus Mário Mourão foi 2º ocupante da cadeira nº 9 da Academia Sul Mineira de Letras "Casa Machado de Assis", que o considera "maior especialista do mundo em medicina com água mineral". Também em 2009, a Lei do Município de Poços de Caldas nº 8606 criou o "Centro Municipal de Atendimento Integrado ao Idoso CAII Dr. Benedictus Mário Mourão". Escreveu inúmeros livros e publicou muitos artigos em revistas especializadas. Entre seus livros cabe destacar os seguintes: "Poços de Caldas. Esboço Histórico. Águas Minerais Sulfurosas." (Rio de Janeiro: Papelaria Velho, 1933), "Hidrologia Médica", "A água mineral e as termas uma história milenar", "Curas Carbogasosas. Crenoterapia em Dermatologia" (160 pp., 1984), "Temas de Crenologia. Águas Radioativas Brasileiras" (Poços de Caldas: Ed. Casa Tupi, 1976), "A Medicina Hidrológica. Moderna Terapêutica das Águas Minerais e Estâncias de Cura" (publicação da Secretaria Municipal de Educação, Prefeitura de Poços de Caldas, 1992) e "A Água Mineral e as Termas" (editado pela ABINAM, em 1997). Coautor (em parceria com seu pai Mário Mourão e seu irmão Martinho de Freitas Mourão) do livro "Tratamento Hidromineral das Moléstias do Fígado" (Rio de Janeiro: Ed. Jornal do Comércio, Rodrigues & Cia., 1936).

Da esq. p/ dir.: Mário Mourão (Netto) e Luiz Antônio S. Mourão; presidente da ABINAM, Carlos Alberto Lancia; diretor-geral do DNPM, Miguel Nery.
Cabe ainda mencionar que várias definições do Dr. Benedictus se tornaram clássicas e são citadas por vários especialistas e autores, tais como as abaixo transcritas: 


Crenologia é uma divisão da hidrologia, que abrange o conhecimento e o estudo das águas mineromedicinais em suas aplicações práticas, na prevenção e tratamento de várias entidades mórbidas.

Hidrologia relaciona-se à ciência que estuda as águas em geral, em todas as formas e manifestações na superfície da Terra, seja na atmosfera, nas nuvens, nos mares, nos rios, nos subsolos, nas fontes e nas geleiras.

Crenoterapia é o métiodo terapêutico baseado no uso das águas mineromedicinais e de seus gases espontâneos, da água do mar, de lama terrestre e marinha, em estabelecimentos dotados de equipamentos especializados. As águas minerais indicadas devem ser ingeridas no momento da surgência para aproveitamento máximo.

Hidroterapia consiste no emprego da água potável, das águas mineromedicinais e da água do mar, aproveitando a termalidade (banhos quentes gerais e parciais, banhos de vapor) e a ação hidromecânica (duchas em geral, balneocinesiterapia, hidromassagens, aeroterapia em forma de bolhas de ar ou turbilhonamento, etc.)   

Benedictus Mário Mourão, pai do meu homenageado, nasceu e faleceu em Poços de Caldas (05/04/1911-set. 2008). Benedictus casou-se em 15/09/1937 com Lourdes Barbosa Sandoval (24/03/1918, Ituverava, SP-24/6/1991, São Paulo), ficando Lourdes Sandoval Mourão o seu nome de casada. Tiveram os seguintes filhos: Mário Mourão Netto (especialista em câncer de mama do Hospital do Câncer); Luiz Antônio Sandoval Mourão (proprietário da Lagiro Corretora de Seguros), meu homenageado (05/06/1940, São Paulo-01/12/2015, São Paulo), e Judith Maria Sandoval Mourão (São Paulo, 23/01/1942-Campinas, 26/04/2013). ¹⁰
Casamento de Lourdes Barbosa Sandoval com Benedictus Mário Mourão, 
em 15/09/1937(festa na casa de Judith Barbosa Sandoval, residente na Av. Angélica, nº 1660, em São Paulo-SP / 
Crédito: http://celirlandino.blogspot.com.br/

Luiz Antônio Sandoval Mourão casou-se com Célia Nilza de Oliveira Mourão em 04/11/1967. O casal teve os filhos Rodrigo de Oliveira Mourão e Giuliano de Oliveira Mourão. Luiz Antônio deixou quatro netos, sendo dois filhos de Rodrigo (Marina e João) e outros dois de Giuliano (Lourenço e Lorena).

Tinha ainda meu homenageado um pendor para as letras, demonstrado em alguns poemas que deixou numa coletânea, cuja cópia me entregou em confiança e que conservo cuidadosamente em meu poder. A razão é que, tendo-me pedido para lê-la e, caso necessário, fizesse os retoques indispensáveis para uma futura publicação, infelizmente não houve tempo para atender o seu pedido devido a compromissos que assumi no mesmo período. Essa coletânea de poemas, intitulada possui vinte páginas em modelo de folha A4. Uma amostra desses poemas será apresentada aqui sem quaisquer retoques.  

Para sua saudosa mãe, Luiz Antônio S. Mourão, com o nome artístico de Luiz Mourão, deixou um poema pleno de admiração filial e de saudade no seu livro ainda inédito "Poetando no Azul do Horizonte":

CAFÉ-COM-LEITE

Que saudades que tenho,
Daquelas manhãs preguiçosas,
Do café-com-leite quentinho, 
Junto com o pão crocante com manteiga,
Dentro de uma bandeja colorida,
Com um gostoso queijinho na borda, 
Trazido pelas mãos de uma fada,
Com andar macio e silencioso,
Com seu amor por mim,
Igual ao seu nome, minha mãe Lourdes. 


Em outro poema, canta e relembra com saudade seus pais, Benedictus e Lourdes, ambos "encantados", no dizer de Guimarães Rosa:

SAUDADES DOS SAUDOSOS

Uma saudade que eu tinha,
Da doce mãe que se foi,
Virou uma estrela e foi para o céu, 
Brilhando e refletindo em muitos corações.

Agora tenho outra saudade,
Do pai que adormeceu,
E acordou subindo aos céus,
Com os sonhos realizados. 

Também deixou um poema, espécie de confissão privada, em que revela certa mágoa por ter sido alvo de culpas assacadas contra ele por injusto e rancoroso atirador. Na última estrofe o eu poético manifesta a esperança de que a escola da vida mostre a essa pessoa quão injusta foi. Como era extremamente discreto e reservado, nunca comentou comigo de quem se tratava e sobre o fato que lhe martelava a mente de maneira tão repetitiva e frustrante.

O TIRO

Às vezes na penumbra da vida,
Meu coração palpita,
Do encontro de um fato,
Repetitivo e frustrante.

Culpas atiradas,
Do injusto atirador,
De falsos fatos,
De falsas pessoas.

Que a vida iluminada,
Há de mostrar,
Que injusto foi,
O injusto atirador,
O tiro do rancor. 

Nos últimos exemplos da amostra que selecionei para apresentação do poeta Luiz Mourão, como preferia ser chamado, não há mais espaço para a sua personalidade reservada e discreta. Nos poemas "Amor Verdadeiro" e "Início e o Fim", é a poesia que domina e determina o texto poético. 

AMOR VERDADEIRO

Amor verdadeiro
É como uma roseira:
A flor cresce,
Floresce e as pétalas caem,
Mas a raiz permanece firme,
E mais flores florescerão+


INÍCIO E O FIM

No meu imaginário te amei,
Na sua concepção te amei,
No ventre de tua mãe te amei, 
No teu nascimento festejei e te amei,
No teu crescimento te amei,
Vou te amar até o fim dos meus dias,
Depois, onde estiver vou continuar te amando,
E intercedendo estarei pela tua felicidade!

(Amostra extraída da coletânea de poemas intitulada "Poetando no Azul do Horizonte", ainda inédita, por Luiz Mourão.)

Além de sua veia poética, Luiz Antônio S. Mourão manifestou pendor pela pintura, tendo-se dedicado com afinco à criação de muitas telas, sob a orientação do prof. Bruno Felisberti, nos últimos anos de vida.

Por último, cabe aqui mencionar a enorme devoção de meu homenageado por São Frei Galvão, este nascido em Guaratinguetá, construtor do Mosteiro da Luz em São Paulo e canonizado pelo papa Bento XVI em 11/05/2007, durante a visita do pontífice ao Brasil. Luiz Antônio Mourão frequentava o Mosteiro da Luz e costumava dizer que foi curado de uma enfermidade grave por ter recorrido com muita fé à intercessão do primeiro santo brasileiro.



NOTAS EXPLICATIVAS



¹  MARIA DO ROSÁRIO MOURÃO, mais conhecida como Nini Mourão, irmã do Dr. Benedictus Mário Mourão, nasceu a 7 de outubro de 1907 em Serra Azul-SP e veio ainda criança para Poços de Caldas. Estudou no Colégio Sion de Petrópolis e casou-se com o médico Dr. Clodoveu Davis, quando mudou seu nome para Maria do Rosário Mourão Davis. Foi professora de língua portuguesa e francesa nos primórdios do São João da Escócia, porém a ação social era sua meta. Auxiliou sempre seu pai nas festas em benefício da Santa Casa, foi presidente da Obra de Tabernáculos, do Colégio São Domingos, da Legião Brasileira de Assistência local, no tempo da Guerra e secretária das Damas de Caridade do Asilo São Vicente de Paulo. Presidente da gota de Leite Sinhá Junqueira Lemos de 1938 a 1998; durante sua gestão, fundou a Casa da Criança (1950), Jardim e pré-escolar, em 1954, a Assistência às Mães, em 1956, a Assistência Dentária. Criou várias creches, assim como as escolas: Tarso Coimbra, para deficientes auditivos e Helen Keller, para deficientes visuais. Foi ainda a idealizadora da FUNGOTAC-Fundação Gota de Leite de Assistência à Criança, que incorpora vários setores beneficentes da antiga Gota de Leite; hoje, é chamada Colégio Nini Mourão e atende a educação infantil, ensino fundamental e ensino médio. Sob sua presidência foram construídos os prédios: Gota do Leite, Centro Social e Casa da Criança, a U.P.P.E. do Charque e o Centro Artesanal de S. José, dando a mais ampla assistência alimentar, médica e educacional, procurando a promoção social da infância e maternidade desvalidas. Senhora culta e dinâmica, era sócia da ASI-Associação Sul Mineira da Imprensa, tendo sido diretora do jornal Diário de Poços de Caldas, a primeira presidente da Associação das Senhoras de Rotarianos e uma das fundadoras do Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas. Recebeu do Lions Clube o diploma de "Honra ao Mérito" e, posteriormente, o "Leão de Ouro". Cf in http://www.colegioninimourao.com.br/nini.htm

²  Para maiores informações sobre Dr. Mário Mourão, recomendo a leitura da biografia feita por Cornélio Tavares Hovelacque. Cf. in https://thermasac.wordpress.com/mario-mourao/  




¹⁰  Cf. in http://www.minhagente.com.br/paf/pafg30.htm 






II.  AGRADECIMENTOS




Gostaria de deixar aqui registrada minha gratidão, por informações prestadas, a Giuliano de Oliveira Mourão, filho do meu homenageado, e Dr. Mário Mourão Netto, irmão do finado amigo. À minha esposa Rute Pardini, amicíssima de Luiz Antônio S. Mourão, também agradeço pelo redesenho das fotos e embelezamento do texto.