quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

A CORRENTE MIGRATÓRIA PARA A EUROPA PODE CONSTITUIR A CONCRETIZAÇÃO DE UM PLANO TENEBROSO DE 1922


Por Maria Negreponti-Delivanis
(Tradutor do texto em língua grega: Francisco José dos Santos Braga) 



O texto que segue constitui uma pré-publicação do novo livro de Maria Negreponti-Delivanis intitulado "Boa Noite Ocidente, Bom Dia Oriente

Publicado na revista Atualidades em 16/12/2017
Introdução
O texto que segue não é fruto de imaginação científica, nem pertence à categoria das teorias conspiratórias. Tudo o que se refere a ele constitui realidade do início do século passado.
Não estou convencida de que tudo o que acontece na Europa com a onda migratória e as consequências que, com precisão matemática, resultarão disso, seja efeito do correspondente plano de Kalergi. Contudo, é difícil para mim, diria também para aquele que ler as linhas deste artigo, perguntar-me "sobre o que precisamente significa", "o que pode estar escondido" debaixo deste indescritível drama dessas pessoas, que relação pode existir "entre o clero europeu e os prêmios Kalergi", etc.
Achei, então, que interessará aos leitores da revista "Atualidades" e, ainda, que provavelmente encoraje também uma continuação da pesquisa, de modo a se esclarecer este caso realmente curioso.

a) A concretização do plano Coudenhove-Kalergi: O genocídio dos povos da Europa ¹

O plano Coudenhove-Kalergi poderia ser fruto de uma novidade fantasiosa, mas também uma conspiração para o genocídio dos povos da Europa. Em 1922, Coudenhove-Kalergi, um jovem bem dotado de procedência aristocrática, fundou o movimento "Pan-Europa" em Viena, que aspirava criar uma nova ordem internacional, centrada na união da Europa, e sob o comando dos Estados Unidos. A unificação europeia constituiria o primeiro passo para a criação de um governo universal. Contudo, esse plano era do conhecimento de poucas pessoas, e em seguida foi esquecido por quase um século, contudo, para os iniciados, Richard Coudenhove-Kalergi é tido, e corretamente, o fundador da União Europeia. Ainda é mínimo o número daqueles que sabem que o plano "Pan-Europa" escondia uma previsão satânica, mas também um objetivo nefasto, a respeito do futuro da Europa: o seu desaparecimento. De fato, na capa do livro "Idealismo Prático", Kalergi defende que os habitantes dos futuros "Estados Unidos da Europa" não terão relação com os antigos povos do Velho Continente, mas serão uma espécie de subhumanos que provirão de um cruzamento. Desenvolve, sem escrúpulos, a opinião de que os Europeus precisam mesclar-se com raças asiáticas e africanas, de forma a darem em uma raça sem qualidade, que seja completamente controlada pela América, com a ajuda de uma elite aristocrática. Kalergi esclarece: "O homem do futuro descenderá de uma origem racial mista. As raças e as classes de hoje desaparecerão paulatinamente por causa da supressão do espaço, do tempo e do preconceito. A raça euroasiática-negróide do futuro, semelhante à sua aparição com os antigos Egípcios, substituirá a diferenciação dos povos e das pessoas." A supressão das nações e povos pode ser conseguida, segundo Kalergi, entre outras, também com a imigração. Precisamente, o renascimento deste plano tenebroso parece unir-se diretamente com o recente e incontrolável fluxo de imigrantes/refugiados na Europa, os quais pertencem às raças, que constituem as preferências do plano Kalergi. Mas, certas pessoas, que destestam o cheiro das conspirações, teriam possivelmente a inclinação de sustentar, e provavelmente com ar superior, que se trata de uma simples coincidência. Contudo, o plano é emoldurado por certos fatos, que já é difícil prosseguir a serem tomados por "coincidências". Seleciono, para a conclusão desta alínea do artigo em mãos, os seguintes:
* Primeiro, em honra de Coudenhove-Kalergi, foi inaugurado o prêmio europeu, o qual é entregue a cada dois anos, a Europeus, os quais se reconhece que contribuíram para a promoção do plano Kalergi. E os premiados até hoje são: Angela Merkel e Herman Van Rompuy, duas das "peças supremas" do Clube Bildemberg. ²
* Segundo, como é conhecido, os Estados Unidos da América incentivam permanentemente a Europa, através das Nações Unidas, a acolher milhões de imigrantes, para solucionar assim o problema de baixa taxa de natalidade e de envelhecimento da sua população. Concretamente, refere-se a relatório das Nações Unidas de janeiro de 2000, intitulado "Imigração da substituição: Uma solução para a redução e o envelhecimento da população", onde é mencionado o fato que até 2025 a Europa precisará 150 milhões de imigrantes. ³  É realmente surpreendente este número preciso, que automaticamente remete, em associação também com tudo referido anteriormente, à existência de um plano premeditado. Agradeço a questão dele porque as Nações Unidas não aconselham a Europa a adotar outras soluções, como programas de apoio de famílias, análogos aos que empregam os Franceses há muitas décadas, mas ao contrário a incitam a colocar-se num programa de seu genocídio. 
* Terceiro, a seguinte manifestação de G. Brock Chisholm, ex-diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), que é referido pelo artigo em mãos, reforça as suspeitas sobre a existência de um plano tenebroso, contra a viabilidade da Europa, com base nas opiniões de Kalergi. Tal manifestação é a seguinte: "Aquilo que em todos os lugares as pessoas precisam fazer é praticarem a limitação dos nascimentos e realizarem casamentos mistos (entre diferentes raças), e isto com o objetivo de se criar uma raça una num mundo que será dirigido por uma autoridade central" (isto é, por um governo mundial).
* Quarto, finalmente, é difícil evitarem-se associações entre a provável marcha do emprego do plano Kalergi e a inclinação de certas economias europeias, dentre as quais também a da Grécia, a abolirem o ensino religioso nas escolas, a diminuírem a importância do ensino da língua pátria, ou a deformarem a história do país nos livros didáticos escolares, a desvalorizarem valores humanos básicos, símbolos nacionais e vitórias históricas que mantém o orgulho nacional e a identidade nacional.

De forma conclusiva, também ainda é difícil para quantos tentam ficar, dentro do possível, longe da relação de qualquer forma com "teorias conspiratórias", porque as consideram não sérias e não científicas , ignorarem a realidade imperiosa: que, as coisas que acontecem na Europa com a corrente migratória não controlada, se acham detalhadamente registradas no livro de Kalergi, desde 1922 na forma de votos, que já estão se realizando. Claro, não se pode excluir o argumento de que "se trata de simples coincidência" e não de um plano pré-traçado. Mas, mesmo que seja respeitável a opinião dos que recusam categoricamente reconhecer a existência de conspirações na realidade internacional, não é possível haver refutação para o fato de que precisam acontecer na Europa. Kalergi, além disso, que foi o primeiro que teve a ideia da Europa unida, propunha como seu hino nacional o hino de Beethoven, mas também sonhou com o renascimento do "Novo Sacro Império Romano". Kalergi não estava só, mas teve o apoio de importantes pessoas da sua época, que se entusiasmaram com a ideia da Europa unida. Líderes estatais, príncipes e banqueiros são citados como apoiadores e financiadores das suas ideias, enquanto depois do fim da II Grande Guerra, tanto Winston Churchill, quanto o jornal New York Times e finalmente a CIA concordaram e apoiaram as opiniões dele . O plano Kalergi era e permaneceu ignorado para muitos, não por falta de interesse, mas, como parece, pela imposição de alguma espécie de censura oficiosa em torno dele. Conta-se, a esse respeito, que o livro de Kalergi é raro. Em 1990 o jornal alemão Notícias Independentes publicou um resumo do livro de Kalergi e formulou a intenção de republicar o livro, mas a polícia confiscou a única cópia que então circulava. Além disso, é curioso que o livro de Kalergi não seja citado nas páginas bibliográficas oficiais da Internet, relativamente ao movimento da Pan-Europa.

b) Constatações paralelas e advertências sobre o fim da Europa
A combinação do envelhecimento e da baixa taxa de natalidade da Europa, aliados à impetuosa corrente migratória encontra-se na base das constatações, que não se relacionam diretamente com o plano Kalergi, mas que resultam nas mesmas consequências, a saber, no desaparecimento da Europa. Cito o seguinte trecho, que está contido no artigo de Giulio Meotti :
"A população da Europa diminui aproximadamente dois milhões ao ano, e constantemente é preenchida por população de imigrantes. David Coleman caracteriza da seguinte forma essa substituição: A redução suicida da baixa taxa de natalidade europeia, em combinação com os imigrantes que aumentam rapidamente, transformarão a cultura europeia. A queda do ritmo de natalidade pelos Europeus nativos coincide na realidade com a institucionalização do Islam na Europa e com a renovação da sua islamificação."

Lord Sacks declarou recentemente: "A redução da taxa de natalidade pode significar o fim do Ocidente." A Europa, à medida que envelhece, já não renova as suas descendências, e no seu lugar dá boas vindas a uma migração, vinda do Oriente Médio, África e Ásia, que substituirão os Europeus nativos, e que trazem culturas com valores radicalmente diferentes, pela relação das duas raças, o poder político, a cultura, a economia e a relação de Deus com o homem.

O Cardeal Raymond Leo Burke previu que "o Islam conquistará a Europa por causa da fé e do ritmo da natalidade."

Os neoliberais, exatamente do mesmo jeito que enfrentam o problema da destruição do meio-ambiente, com idêntica atitude patética enfrentam o problema migratório: esperando a "mão invisível" restabelecer a ordem. E neste ínterim, com a projeção de alguns argumentos, que, sob condições normais, correspondem às coisas, como, por exemplo, que a Europa precisará, no futuro próximo, de mão de obra ou que as comunidades mistas garantem qualidade de vida, justificam o fato de que se mostrem amigáveis diante as vindas descontroladas de imigrantes.

Assim, "depois de uma geração a partir de hoje, a Europa será irreconhecível. Os povos europeus estão conscientes, em alto grau, de que a sua cultura corre perigo principalmente por uma liberalidade leviana, uma ideologia que se esconde sob a máscara da liberdade, e que tem como objetivo a demolição de todas as instituições que ligam a pessoa à sua família, os seus parentes, o seu trabalho, a sua história, a sua religião, a sua língua, a sua Nação, a sua liberdade. Esta atitude parece provir de uma inércia que conduz à indiferença para com o sucesso ou a catástrofe da Europa, para com o desaparecimento de nossa cultura, mergulhado no caos étnico, ou para com o saque desencadeado por uma nova religião que é oriunda do deserto".

Sob o prisma de tudo quanto foi referido acima, o livre fluxo de imigrantes/refugiados deve ser visto como o último estágio, depois da globalização e do liberalismo puro, da marcha para o estabelecimento do governo mundial do nosso planeta. ¹

 

NOTAS  EXPLICATIVAS



¹    O artigo  foi originalmente postado no site "Identità". Mais tarde, foi traduzido do italiano e aperfeiçoado por Elefthérios Anastasiádis e reproduzido em 22/12/2012 in http://theodotus.blogspot.com.br/2012/12/coudenhove-kalergi.html

²  Leo Lyon Zagami: Report: EU intentionally collapsing European countries with illegals-The "Kalergi Plan" started in the 70's 
Cf in https://www.infowars.com/the-kalergi-plan/

³   Postado pelo blog Theódotos em 22/12/2012: Cf in http://theodotus.blogspot.com.br/2012/12/coudenhove-kalergi.html 

  Contudo, ah!, nossa gente dança no dia-a-dia com base no seu ritmo.

  O artigo foi traduzido do italiano e aperfeiçoado por Elefthérios Anastasiádis, op. cit.

  Leo Lyon Zagami, op. cit.

  "Europa: A Substituição de uma População", op. cit.

  No seu estudo intitulado "Imigração e Mudança Étnica em Países de Baixa Fertilidade: Uma terceira Transição Demográfica".

  Giulio Meotti, op. cit.

¹⁰  Maria Negroponti-Delivanis: O homicídio a sangue frio da Grécia, Fundação Delivanis e Edições Ianós, Atenas 2014, Introdução.

Fonte: http://marianegreponti-delivanis.blogspot.gr/ 


AGRADECIMENTO 


Gostaria aqui de consignar meu agradecimento ao Prof. Aléxandros Orfanídis, de Atenas, que teve a gentileza de dar-me a sugestão de traduzir o presente artigo, agregando valor e permanente atualização ao Blog do Braga, em comunhão com a intelectualidade grega. 

10 comentários:

Francisco José dos Santos Braga (compositor, pianista, escritor, gerente do Blog do Braga e do Blog de São João del-Rei) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Prof. José Lourenço Parreira (capitão do Exército, professor de música, violinista, maestro e escritor) disse...

Caríssimo amigo Braga, só agora pude ler seu impressionante artigo (tradução): são três horas da madrugada.
Terrível e satânico plano de destruição da nossa cultura. Realmente a Europa geme e o Papa João Paulo II falou sobre esse negar as origens elevadas e gloriosas da Europa: a civilização cristã!
A importância da família, tão reafirmada pelo grande Pontífice, inclusive, defensor de um salário para as mães que trabalham "só" cuidando dos filhos, em casa!
No Brasil, também, estamos vendo ir à bancarrota a civilização cristã.
Em Campo Grande é difícil ouvir homilias ricas e edificantes a consolidar a nossa cultura!
Em São João del-Rei, na Igreja do Rosário, após a magistral execução da "Tota Pulchra" escrita por João Feliciano de Souza e magnificamente cantada em solo pelo baixo Benigno Parreira seguida de encantadora intervenção da polifonia das vozes, o Revmo Padre Alisson Sacramento, no altar, exclamou
"Parabéns pela Tota Pulchra cujos acordes nos elevaram a todos para junto da Virgem Imaculada.
Principalmente pela belíssima voz do solista, o Maestro Benigno Parreira..."
Esse padre tem cultura e sabe valorizar a civilização cristã, da qual a Lira Sanjoanense é defensora, com sua atividade, há mais de 200 anos!
Muito obrigado, Braga, vou repassar seu trabalho!
FELIZ NATAL!

Prof. José Lourenço Parreira (capitão do Exército, professor de música, violinista, maestro e escritor) disse...

Ontem, durante a Novena do Menino Jesus na Igreja do Rosário, que a realiza há mais de 300 anos, a Orquestra Lira Sanjoanense tocou linda página musical da lavra do gênio da música João Feliciano de Souza: Tota pulchra es Maria!
A Lira Sanjoanense (coro e orquestra) é a mais antiga orquestra das Américas e a segunda mais antiga do mundo, conforme informa a UNESCO. É um tesouro do Brasil, que honra nossa história desde 1776! Glória de São João del-Rei, terra da música, berço de Tiradentes!
Ao final da celebração, o Padre Alisson Sacramento, que fizera bela homilia, ajoelhado diante do altar, ungido e emocionado disse:
"Belíssima a Tota Pulchra executada pela orquestra em honra à Virgem Maria. Especialmente pela interpretação na voz do Maestro Benigno Parreira. Glória a Deus!"
Após este fato, pus-me a pensar no singular papel dessa Orquestra na preservação dos valores sadios da civilização cristã!
Valores tão esquecidos e, não raro, combatidos pela hodierna sociedade, hedonista e materialista!
Oremos pela preservação e vitória da civilização cristã. Para Deus, nada é impossível!
Sursum Corda!
José Lourenço Parreira

Prof. Cupertino Santos (professor de história aposentado de uma escola municipal em Campinas) disse...

Caríssimo professor!
Esse tema é realmente muito interessante. As evidências aqui e ali de problemas civilizacionais na Europa e sua decadência como área de poder tornaram-se marcantes a partir da Primeira Guerra. Já a sua relação com o plano "Pan-Europa" é para mim algo que absolutamente não domino. Muito obrigado pelo texto traduzido que me trouxe dados e reflexões a respeito.
Muito grato e parabéns pelo trabalho.

Dr. Horácio Alberto Questa (médico argentino) disse...

Obrigado.
Feliz Natal a VC e família.
Horacio Questa​

Nicolau Bachá (baterista de grupo de jazz) disse...

PREZADO BENEMÉRITO DE SÃO JOÃO DEL REY E ESPOSA,

SEMPRE AGRADEÇO IMENSAMENTE TER TIDO A OPORTUNIDADE DE TER CONHECIDO VOCÊS.

DESEJO SAÚDE, PAZ E AMOR PARA A DUPLA DE AMIGOS E ARTISTAS MARAVILHOSOS.

BACHÁ.

Samuel Belk (engenheiro civil e de Segurança do Trabalho; Mestre em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP; Diretor do Arquivo Histórico Judaico Brasileiro; roteirista e diretor de shows de música judaica) disse...

Obrigado

Feliz Natal!

Samuel Belk

Paulo Sousa Lima (escritor, gestor cultural e presidente eleito do IHG de São João del-Rei para o triênio 2018-2020) disse...

Prezado confrade Francisco Braga, bom dia. Um intrigante texto e uma proposta teórica passível de várias considerações/contestações que mereceriam mais tempo para construção. Interessante que, na homilia do Natal, o Papa Francisco retoma esta temática na perspectiva humanitária do acolhimento solidário e da responsabilidade coletiva dos Estados, ao criarem situações que levam a fluxos migratórios tão penosos como esse que hoje assistimos. O "hermano" é de uma sapiência ímpar. Muito obrigado por divulgar esse texto e sua autora.
Saudações,
Paulo

Francisco José dos Santos Braga (compositor, pianista, escritor, gerente do Blog do Braga e do Blog de São João del-Rei) disse...

Devo realçar que o artigo que se lerá aqui no Blog do Braga não se envolve com nenhuma "teoria conspiratória". Antes, ele é fruto da observação e pesquisa de uma autora grega, Profª e PhD Maria Negroponti-Delivanis da Universidade de Salônica, Grécia.
Ao traduzir o referido artigo, cheguei à conclusão de que a crise europeia é uma "catástrofe programada". Quando houve essa premeditação? Em 1922, com o plano "Pan-Europa" defendido por Coudenhove-Kalergi. O programa que ele elaborou naquela época está sendo posto em prática pelos dirigentes europeus atuais. A Europa de hoje está num estado de decomposição política, espiritual e demográfica.
E ela alerta para o que ocorrerá se não houver uma mudança de rumos na Europa: "Ainda é mínimo o número daqueles que sabem que o plano "Pan-Europa" escondia uma previsão satânica, mas também um objetivo nefasto, a respeito do futuro da Europa: o seu desaparecimento."
Visando contribuir para esse debate, que não deve excluir o Brasil como agente do plano de Kalergi, estou disponibilizando ao leitor do Blog do Braga a tradução do referido artigo publicado em 16/12/2017 na revista grega "Atualidades".
Em consonância com a autora grega, o economista, jornalista e escritor Marc Rousset foi direto ao ponto:
"Os valores espirituais tradicionais davam origem à grandeza militar e econômica da Europa e da França. Eles eram defendidos tanto por de Gaulle, como pelo marechal Petain - cada um à sua maneira. Nós não criaremos uma economia estável sem o slogan 'Trabalho-Família-Pátria' . De Gaulle também defendeu o trabalho e a família com os subsídios às mães, e continuou fazendo isso depois de 1945."

Lembro ao leitor que já publiquei no Blog do Braga, abordando o mesmo tema com algumas variantes, os seguintes trabalhos:
1) em 24/06/2017: Como a União Europeia fez da Grécia um gueto muçulmano
2) em 06/01/2016: Bem-vindos à Grécia Islâmica!
3) em 02/01/2015: Discurso "Sobre a Realeza" de Sinésio de Cirene ao Imperador Arcádio.

Lucas Pingret disse...

O SER "DITO" HUMANO É SUICIDA POR EXCELÊNCIA, POR ESTE MOTIVO TENDE A DESAPARECER DA FACE DA TERRA, É UMA QUESTÃO DE TEMPO.
A LUXURIA, A FEBRE EM DOMINAR AS MENTES E POR FINAL, UM EGO CRIMINOSO, CERTAMENTE O FARÃO.