quarta-feira, 2 de junho de 2010

2010 - ANO CHOPIN > > > Parte 8 > > > Rio Folle Journée (IV edição brasileira)


Por Francisco José dos Santos Braga



Nesta Parte 8 da série de ensaios dedicados a 2010 – ANO CHOPIN, venho informar sobre mais um evento cultural de enorme repercussão em nosso País: Rio Folle Journée 2010 (quarta edição brasileira).

A cidade de Nantes, na França, é o berço do referido festival, que lá é conhecido por La Folle Journée, cuja primeira versão foi idealizada e organizada em 1995 por René Martin, inspirado por um show do U2, em uma tentativa de tornar a música clássica acessível a todos os públicos, como um concerto de rock. Atualmente, a maratona acontece em Bilbao, Espanha, e em Tóquio, Japão, além de França e Brasil. O Rio de Janeiro, desde 2007, tem sido a primeira cidade das Américas a sediar o evento. No Brasil, a parceira de René Martin é Helena Floresta, diretora da Intermezzo.

Trazer o projeto à cidade do Rio é, no mínimo, um feito extraordinário. Desde 2007 a Rio Folle Journée vem se constituindo numa celebração da música, num congraçamento de artistas e público, bem como num percurso anual por temas importantes da história da música. Relembrando: em 2007 a Rio Folle Journée teve como tema Harmonia dos Povos – As Escolas Nacionais, com destaque para o choro como raiz para inspiração de toda música erudita nacional. Em 2008, o tema foi Beethoven e em 2009 foi Mozart.

Esta quarta edição é dedicada a Fryderyk Chopin
, já que em 2010 se celebra o bicentenário do nascimento do grande musicista polonês. Sua extraordinária obra para piano será integralmente executada em 14 concertos por cinco pianistas estrangeiros; em outros 19, artistas daqui e estrangeiros executarão peças de outros autores, entre eles brasileiros que se deixaram tocar pelo romantismo de Chopin, como Henrique Oswald, Villa-Lobos, Antônio Francisco Braga, Ernesto Nazareth, Francisco Mignone, Pixinguinha e Tom Jobim, entre outros.

Os cinco pianistas estrangeiros Anne Quéffélec, Abdel el Bacha, Iddo Bar-Shai, Momo Kodma e Philippe Giusiano, de três diferentes gerações, se revezarão até domingo (dia 6/6), apresentando toda a obra integral para piano (noturnos, sonatas, mazurcas, valsas, etc.) em ordem cronológica. As composições para outros instrumentos são em número pequeno.

Os cinco trarão suas visões originais sobre Chopin, permitindo ao público brasileiro o acesso a uma escuta diversificada desta música,como já o fizeram em Nantes, cidade natal de La Folle Journée. Eles também já passaram por eventos em Bilbao, na Espanha, Tóquio e Kanasawa, no Japão.

Outros solistas convidados são Nelson Freire, Arthur Moreira Lima, Eduardo Monteiro, Ronaldo Rolim e outros. Os concertos serão realizados no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, recém-reaberto; além disso, serão utilizados ainda seu pequeno teatro do prédio anexo, o Teatro João Caetano, o Auditório do BNDES e um espaço da Uni-Rio.

Programação da Rio Folle Journée


Será apresentada a Integral da obra para piano de Chopin (pelos cinco pianistas estrangeiros) no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com os seguintes módulos:

1) 2 de junho, de 12h 30min às 17h 30min: composições de 1817 a 1830
2) 3 de junho, de 10h às 17h : composições de 1830 a 1836
3) 4 de junho, de 10h às 17h: composições de 1836 a 1841
4) 6 de junho, de 11h às 16h: composições de 1841 a 1849.

Além dessa apresentação, estão programados ainda os seguintes concertos com solo de pianistas brasileiros, sob a regência do maestro Isaac Karabtchevsky à frente da Orquestra Petrobrás Sinfônica:

1. Às 20h 30min de 2 de junho, Nelson Freire toca o Concerto nº 2 para piano e orquestra em fá menor op. 21
2. Às 19h do dia 6 de junho, Arthur Moreira Lima toca o Concerto nº 1 para piano e orquestra em mi menor op. 11.

A apresentação de outros pianistas (principalmente brasileiros) está prevista, mas nesta matéria vou limitar-me aos eventos de maior repercussão. As outras apresentações deverão ser consultadas diretamente na programação completa do evento.

A Bradesco Seguros e Previdência está patrocinando o Rio Folle Journée 2010, edição especial no Brasil que celebra o bicentenário do nascimento de Fryderyk Chopin.



* Francisco José dos Santos Braga, cidadão são-joanense, tem Bacharelado em Letras (Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras, atual UFSJ) e Composição Musical (UnB), bem como Mestrado em Administração (EAESP-FGV). Além de escrever artigos para revistas e jornais, é autor de dois livros e traduziu vários livros na área de Administração Financeira. Participa ativamente de instituições no País e no exterior, como Membro, cabendo destacar as seguintes: Académie Internationale de Lutèce (Paris), Familia Sancti Hieronymi (Clearwater, Flórida), SBME-Sociedade Brasileira de Música Eletroacústica (2º Tesoureiro), CBG-Colégio Brasileiro de Genealogia (Rio de Janeiro), Academia de Letras e Instituto Histórico e Geográfico de São João del-Rei-MG, Instituto Histórico e Geográfico de Campanha-MG, Academia Valenciana de Letras e Instituto Cultural Visconde do Rio Preto de Valença-RJ e Fundação Oscar Araripe em Tiradentes-MG. Possui o Blog do Braga (www.bragamusician.blogspot.com), um locus de abordagem de temas musicais, literários, literomusicais, históricos e genealógicos, dedicado, entre outras coisas, ao resgate da memória e à defesa do nosso patrimônio histórico.Mais...

Um comentário:

Nicolau disse...

Foi muito emocionante ver e ouvir Nélson Freire e a Orquestra Sinfônica da Petrobrás num ambiente propício e agradável.